01/11/2015: Estadão - Peça "Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos" une lirismo e histeria

    Em janeiro passado,Miguel Fallabella fez uma rápida passagem por Londres e assistiu Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos,inspirado no filme que tornou Pedro Almodóvar conhecido mundialmente em 1988.No intervalo ele ligou para o produtor Sandro Chaim,que estava interessado em montar o musical no Brasil,com o próprio Falabella no comando artístico. " Eu disse a ele que não estava gostando de nada'',conta o ator/diretor." Mas antes que Sandro desanimasse totalmente,eu completei: " Vamos montar,pois já sei o que não fazer."
     O resultado estreia dia 14 de novembro,no Teatro Procópio Ferreira. E ali está a essência do filme: a história de 3 mulheres com problemas amorosos se cruza e revela toda a complexidade de relacionamentos e da vida feminina.Pepa ( Marisa Orth),uma atriz que guarda em segredo sua gravidez,é abandonada pelo amante,Ivan ( Juan Alba),e se vê desamparada.Candela ( Helga Nemeczyk),sua melhor amiga, se apaixona por um terrorista e decide pedir ajuda à sua confidente,temendo parar na cadeia como cúmplice. Lúcia ( Totia Meireles) , mulher do amante de Pepa,resolve se vingar do ex-marido nos tribunais depois de ter sido deixada por ele.[...]
    [...]Totia Meireles,que vive Lúcia,a ex mulher de Ivan que ficou duas décadas presa por causa dele e agora,liberta,busca vingança. " A loucura de Lúcia é diferente da de Pepa",acredita. " Enquanto a amiga é naturalmente louca, Lúcia é uma louca de remédio,graças à enorme medicação que ela toma ao longo do dia."
    Para compor seu personagem,uma mulher imprevisível,que alterna carinho com sopapos em apenas um segundo,Totia passou a acreditar que uma mulher abandonada é capaz de fazer qualquer ato. " Ela pode tudo; para uma louca,não há limites,afirma ela,que tem um grande e belo número solo: no tribunal ,Lúcia não pode uma indenização em dinheiro. " Quero os 20 anos que perdi na prisão",diz,categórica. " É uma exigência absurda,pois não se recupera tempo,mas como temos a mesma latinidade de Almodóvar,é possível entender essa reivindicação."
   Experiente em musicais - protagonizou Gypsy,em 2010 e ofereceu uma interpretação antológica - Totia conta ter estranhado as canções de Mulheres...,criadas por David Yazbek. " São todas tortas,ou seja,as notas não são óbvias - quando se espera que vá para o que seria um caminho natural,a melodia surpreende e vai para outro lado.Isso exigiu ensaios mais demorados."
  Falabella ,que assina a versão brasileira,concorda. " Yazbek entende de música latina,assim,o espetáculo é recheado de bossa nova,rumbas,mandos.Mas são canções sofisticadas,próprias para um musical,ou seja,ajudam a contar a história.Isso tornou o trabalho ainda mais difícil."
Para ler a entrevista completa,clique aqui

0 comentários: