17/10/2015: Crítica Site Ás na manga - Nicola Lama e Totia Meireles arrasam em cena

  Nine é dez! Nicola Lama arrasa, Totia Meireles rouba cena e o musical tem mais que nove motivos para arrebatar
Nine um musical felliniano é ótima razão para alguém, que porventura ainda tenha alguma resistência a assistir a este tipo de espetáculo, ir correndo ao teatro. Redondo do início ao fim, apresenta ótima encenação, roteiro bem orquestrado, músicas que ficam martelando na cabeça, coreografias sensacionais e qualidade visual impecável. Tendo estreado na Broadway no início dos anos oitenta, com texto de Arthur Kopit e canções de Maury Yeston, virou filme em 2009 sob a batuta de Rob Marshall (“Chicago”), com elenco estelar – Daniel Day Lewis, Nicole Kidman, Judy Dench, Sophia Loren, Penélope Cruz e outras. O longa não foi tão bem recebido assim pela crítica, embora tenha seus méritos, entre os quais o de catapultar o musical ao estrelato entre o grande público. Afinal, não se trata de uma obra “fácil”. Em cena, a plateia não assiste a uma menina levada por um tornado a uma terra mágica distante, nem a uma noviça que, ao cuidar da prole de um austero militar austríaco, se apaixona por este para viver um romance água com açúcar. “Nine” não é história adocicada para todas as idades, mas trama adulta na qual questões de cunho moral judaico-cristão como adultério, vaidade e superego encontram-se algumas centenas de metros abaixo daquilo que importa: a criatividade de um gênio do cinema ameaçando submergir em mar revolto.
[...]
Intérprete de Guido Contini (o diretor), Nicola Lama consegue a façanha de ficar o tempo inteiro em cena sem perder o fio da meada, mesmo com a sucessão de tipos peculiares que brotam no palco, como se surgissem de sua imaginação. Ele atua muito bem, dança muito bem (sem esquecer o personagem, um mérito!), canta muito bem e consegue dar cabo das duas horas de peça. Seu ponto forte: o talento para compor personagem.
 A alternância entre a eterna postura de menino e a virilidade masculina de quem projeta os quadris para a frente, como se fosse um garanhão prestes a papar todas as mulheres, fica visível e a coexistência entre o garoto que espera a aprovação materna e o homem maduro em dilema interior fica clara desde os primeiros minutos.
Como se fosse um Zorba, um grego que concilia a alegria de viver com o aspecto mais visceral (e contraditório) da condição humana. É soberba a forma com que Nicola roda os ombros para frente o tempo todo, dando a entender que a neurose – que também é matéria-prima para a genialidade – grita.
[...]
Entre o elenco, Totia Meireles rouba a cena. “Ela não é uma qualquer”, como diria Claudia Raia, e já surpreendia plateias em meados dos anos 1980 quando dividia com esta a Sheila da antológica montagem de Chorus Line em encenação que ainda trazia no casting baluartes como Roberto Lima, Rubens Gabira, Thales Pan Chacon e Sheila Mattos. Agora, no papel da produtora Lili La Fleur, ela engole todos como se fosse um Saturno pronto para devorar divindades olimpianas. Impossível tirar os olhos dela, que pinta e borda. [...]
Para ler a crítica completa,clique aqui

0 comentários: